Tributação para comércio varejista: Conheça os principais impostos pagos

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Abrir um negócio no segmento do varejo é uma das escolhas encontradas por quem deseja empreender. Neste momento, é fundamental compreender alguns conceitos, como a tributação para comércio varejista.

Isso porque, ter o próprio negócio e fazer a sua gestão envolve uma série de burocracias, como o pagamento de impostos. As empresas brasileiras encontram diante de si uma das maiores cargas tributárias do mundo.

Deste modo, é de extrema importância que os gestores busquem conhecimento acerca de como é feita a tributação para comércio varejista. O que você acha de compreender melhor este assunto agora mesmo?

Acompanhe o nosso artigo sobre a tributação no varejo e aproveite para descobrir tudo o que você precisa saber sobre o tema! Tenha uma boa leitura e saiba como se manter em dia com os seus impostos!

Confira também o nosso artigo sobre o assunto: Você sabe como separar as finanças pessoais das finanças da empresa?

Tributação para comércio varejista: quais são os impostos pagos?

Como você já pode ter compreendido, uma das principais responsabilidades de um comércio varejista se apresenta como o pagamento de impostos. No entanto, para que este processo seja assertivo, é necessário entender como funciona a sua tributação.

É mais do que comum, quando falamos em tributação para comércio varejista, que os empreendedores a associam à cobrança do ICMS.

Contudo, um comércio varejista não lida somente com o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Existem também outros impostos que devem, necessariamente, serem recolhidos por um negócio.

Sendo assim, acompanhe conosco quais são os impostos pagos por um comércio varejista e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto!

  • IRPJ - Imposto de Renda Pessoa Jurídica;
  • Cofins - Contribuição Social sobre o Faturamento das Empresas;
  • CSLL - Contribuição Social sobre o Lucro Líquido;
  • PIS - Contribuição para o Programa de Integração Social;
  • INSS - Instituto Nacional do Seguro Social.

Portanto, após compreender quais são os principais impostos no segmento do varejo, chegou o momento de entender também um outro aspecto fundamental na tributação para comércio varejista, o enquadramento tributário.

Continue acompanhando o nosso artigo para entender melhor como o seu comércio pode ser enquadrado no melhor regime tributário. Vamos lá?

Aproveite para acompanhar também o nosso artigo sobre o tema: Precificação: como calcular o preço do seu serviço?

Como definir o melhor enquadramento tributário para um comércio?

O segundo aspecto fundamental na tributação para comércio varejista é a definição do melhor regime tributário. Estamos falando de uma escolha que determina como será feito o recolhimento de impostos.

Com isso, ao ser enquadrado no regime tributário errado, um negócio pode acabar arcando com uma carga tributária maior do que deveria ser. O que abre as portas, com o tempo, para prejuízos financeiros.

Deste modo, os gestores encontram três opções distintas de regimes tributários para o seu comércio. São eles:

  • Simples Nacional;
  • Lucro Presumido;
  • Lucro Real.

O ideal, no momento de definir o melhor enquadramento tributário para o seu comércio, é contar com o suporte de um serviço especializado, como uma contabilidade. Assim, você terá profissionais experts no assunto em favor do seu negócio.

Sendo assim, acompanhe a seguir quais são as principais especificidades por trás de cada um dos regimes tributários citados acima. Confira!

1. Simples Nacional

A primeira opção para a correta tributação para comércio varejista é o Simples Nacional. Estamos falando de um regime tributário indicado para empresas com faturamento anual de, no máximo, R$ 4,8 milhões.

Desta forma, o Simples Nacional tem como principal característica a unificação no momento de recolher os impostos. Logo, todos os tributos pagos por um comércio são reunidos em uma única guia.

Acompanhe também o nosso artigo sobre o: MEI - Saiba como declarar o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPJ).

2. Lucro Presumido

Uma segunda opção para o enquadramento tributário no varejo é o Lucro Presumido, indicado para empresas que faturam, no máximo, R$ 78 milhões por ano.

Aqui, o recolhimento de impostos como IRPJ e CSLL é feito por meio de uma presunção, feita pela Receita Federal, acerca do lucro de um negócio.

Sendo assim, outros impostos como o PIS e Cofins acabam sendo mensurados de maneira cumulativa. O que significa que eles não geram abatimento referentes às compras e possuem alíquota de 3,65%.

3. Lucro Real

Por fim, na tributação para comércio varejista, também é possível ser enquadrado no regime tributário Lucro Real, indicado para empresas que faturam acima de R$ 78 milhões por ano.

Deste modo, utiliza-se o lucro real apresentado por uma empresa para o cálculo de impostos como o IRPJ e CSLL. O que demanda um controle financeiro bastante rígido, a fim de mensurar o seu lucro total.

Portanto, você acabou de compreender tudo que precisava saber para uma gestão tributária mais assertiva no seu comércio varejista. Saiba que é possível contar com os serviços da Arka Online Contabilidade.

Aproveite para entrar em contato conosco e descobrir como nós podemos ajudar a sua empresa. Não se esqueça também de curtir as nossas redes sociais e acessar o nosso blog para acompanhar outros conteúdos!

 
 
Clique para avaliar este post!
[Total: 0 Média: 0]