O que significa ICMS Para Sua Empresa e Como Calcular esse Imposto?

Tempo de leitura: 7 minutos

Conhecido por ICMS, o imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação é um tributo estadual cobrado nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal. Sua alíquota varia conforme o produto ou serviço, mas em geral fica em 18%.

O empreendedorismo se tornou uma das principais formas de fazer dinheiro no mundo atual. Sempre que aparece uma nova oportunidade de negócio, surgem novos empreendedores.

Porém, é importante lembrar que abrir um negócio próprio não é apenas um investimento financeiro. É preciso ter dedicação, persistência e conhecimento. Além disso, é importante ficar atento às obrigações fiscais.

Mas você sabe quem tem que pagar esse imposto e como calcular o valor cobrado?

Acompanhe nosso artigo até o final, que vamos te explicar tudo!

Mas afinal, o que é o ICMS?

O ICMS é um imposto estadual que incide sobre diferentes tipos de produtos, de eletrônicos a balinhas, e se aplica tanto às vendas domésticas quanto às mercadorias importadas.

Na prática, esse imposto é cobrado indiretamente, ou seja, seu valor é adicionado ao preço de um produto vendido ou de um serviço prestado. Um fato gerador ocorre quando a propriedade desse bem ou serviço passa para o comprador durante a venda de um bem ou qualquer ação que incida o ICMS.

Ou seja, os impostos são cobrados somente quando um bem é vendido ou um serviço é prestado a um consumidor que se torna proprietário desse bem ou resultado de uma atividade realizada.

Quem regulamenta esse imposto são os Estados e Distrito Federal, que fixam o percentual cobrado nas áreas em que atuam. Portanto, cada localidade tem suas próprias alíquotas, o que pode levantar suspeitas entre quem vende para outras Unidades Federais (UFs) - assunto que discutiremos mais adiante. No entanto, algumas leis comuns são promulgadas pelo acordo do ICMS, feito pelo CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fiscal).

Quer uma boa contabilidade para seu negócio? Explore os serviços de contabilidade online da ARKA!

Como é feito o cálculo do ICMS?

Para começar, é importante saber qual alíquota é praticada no estado em que você opera. Normalmente, quando a venda for feita na mesma UF, a fórmula é simples:

Preço de venda do produto X alíquota no estado (UF) = Valor de ICMS

Como exemplo, vamos pegar um produto que tem um custo de R$ 10 reais, sobre ele incidirá uma alíquota de 18% (a mais comum nos estados), teremos o seguinte cálculo:

R$ 10 X 18% = R$ 1,80 de ICMS

Assim, nesse exemplo temos um valor de ICMS no valor de R$ 1,80.

Quais os cuidados ao realizar operações de ICMS interestadual?

Quando as empresas operam em estados distintos, devem estar cientes da diferença entre as alíquotas cobradas em um local e outro.

Nesses casos, aparece a figura da DIFAL, que nada mais é que o diferencial de alíquota que é aplicada para reduzir a desigualdade de renda entre estados e o Distrito Federal, pois ao proporcionar menor valor, uma área acaba sendo mais atrativa para os negócios e acaba concentrando a renda em um local.

No passado, o valor integral do ICMS permanecia no estado em que o item era vendido. No entanto, com a implantação do Protocolo ICMS 93/2015, o imposto passou a ser gradativamente repartido entre a UF de origem e destino do produto.

A partir de 2019, o valor da DIFAL passou a ser recolhido integralmente para o estado onde a mercadoria foi adquirida. Isso significa que, ao vender um produto a outro estado, terá que pagar também os impostos referentes a esse estado.

Para facilitar o entendimento, podemos dizer que para o ICMS existem 3 tipos:

  • O ICMS normal, que é o imposto cobrado na transação do produto e que também faz parte dos tributos do Simples Nacional, pago no DAS;
  • Substituição tributária do ICMS, incidente sobre determinadas mercadorias e operações interestaduais;
  • DIFAL - Diferença de Alíquota de ICMS incidentes sobre compras de outros estados.

Na verdade, se você vende produtos para outro estado, deverá pagar a diferença na alíquota do ICMS.

Se você vender produtos sujeitos à substituição tributária, também deverá pagar o ICMS-ST.

Em que operações irá incidir ICMS?

 

Quase todos os tipos de operações. O ICMS é um dos principais geradores de receita para os estados e o distrito federal, pois incide tanto sobre pessoas físicas quanto jurídicas. No caso de pessoas jurídicas, o imposto incide sobre as seguintes operações:

  • A venda e transferência de produtos;
  • Transporte entre cidades ou estados, sejam mercadorias, pessoas ou valor;
  • Ao importar mercadorias, mesmo para uso próprio e não para revenda; e
  • Serviços de telecomunicações.

Ou seja, se sua empresa vende produtos ao exterior, como comércio eletrônico ou lojas físicas, serviços de telecomunicações, esse imposto é exigido.

Aproveite e leia: 9 passos para abrir uma microempresa

E quais operações não irá incidir ICMS?

Apesar de sua ampla aplicação, existem algumas operações que não são cobertas pelo imposto. Incluindo:

  • Venda e distribuição de livros, jornais e periódicos, incluindo papel para impressão;
  • Exportação de mercadorias;
  • Negócios relacionados com eletricidade, petróleo e combustível;
  • Operações relacionadas a ouro, quando considerado ativo financeiro ou instrumento cambial;
  • Negócio de locação;
  • Operação de cessão fiduciária em garantia;
  • transferir bens ou bens móveis de estabelecimento comercial, industrial ou de outro tipo;
  • Para uso em serviços pelo próprio prestador, desde que autorizado pelo ente público municipal; e
  • Outros casos específicos de lei estadual.

Como pagar o ICMS?

Para recolher o ICMS, as empresas devem estar cadastradas na Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz) da região em que atuam. Durante este processo, obtém-se a sua Inscrição Estadual (IE) e uma sequência de números confirma que a sua empresa é a contribuinte deste imposto.

É importante observar, pois os registros variam de estado para estado. Para isso, entre em contato com a Sefaz da sua região para saber quais documentos são necessários e o procedimento para fazer um IE ou conte com a ajuda de um contador.

Quais as penalidades se o ICMS não for pago?

Quando uma empresa deixa de cumprir essa obrigação, acabará inadimplente com o fisco, e – às vezes – terá que regular sua situação e pagar multas por atraso. E, sim, isso significa que devem ser pagos juros, fixados pela taxa SELIC do período e acumulados a partir do mês-base.

Cumprir os pagamentos do ICMS é importante para manter sua empresa funcionando e evitar problemas fiscais, além de evitar pagar mais do que o necessário – o que pode prejudicar o caixa e os investimentos da sua empresa.

Com um contador você ficará mais tranquilo com as regras do ICMS

É importante que sua empresa tenha um contador que entenda a necessidade desses processos e possa te auxiliar. Esse profissional estará envolvido na apuração do ICMS e demais obrigações acessórias da empresa para evitar que você pague mais imposto do que deveria.

Todo o processo fica mais prático se você optar por um serviço de contabilidade online. Para ver os benefícios dessa abordagem, entre em contato e conheça os motivos para contratar um escritório de contabilidade online e modernizar sua empresa.

A ARKA Online te auxilia em todos os processos fiscais que sua empresa precisa. Descubra mais!

As regras do ICMS são complexas e uma boa contabilidade pode te ajudar na apuração dele. Por isso, é importante que você sempre consulte um especialista para orientá-lo sobre as melhores práticas de contabilidade fiscal para o seu negócio.

Clique para avaliar este post!
[Total: 0 Média: 0]