Horário de almoço da empregada doméstica: tudo o que você precisa saber

Tempo de leitura: 6 minutos

A CLT - Consolidação das Leis do Trabalho - não regulamenta as categorias de empregadas domésticas. Por isso, uma emenda legislativa foi necessária para garantir alguns direitos básicos a essa categoria específica. Um desses direitos é o horário de almoço da doméstica.

Primeiro, foi aprovada a proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 66/2012, comumente conhecida como PEC das domésticas. Após essa emenda, em 2015, veio Lei Complementar nº 150 para ampliar direitos já consagrados na Carta Magna, como o descanso diurno, o auxílio noturno e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Depois de ler esta resenha histórica, no post de hoje vamos falar sobre o horário de almoço da doméstica.

Leia e tire todas as suas dúvidas!

Quem é considerado trabalhador doméstico?

De acordo com a Lei n.º 5.859/1972, “considera-se trabalhador doméstico a pessoa que presta serviços a uma pessoa singular ou familiar na área de residência com fins continuados e sem fins lucrativos”.

Assim, governantas, motoristas, porteiros, cuidadores de idosos, jardineiros, etc. se enquadram nesta categoria.

Qual é a diferença entre uma empregada doméstica e o trabalho de uma diarista?

Com a promulgação das leis que regulamentam a categoria, começaram a surgir questionamentos sobre como se configura o trabalho das empregadas domésticas e como ele se diferencia do trabalho de uma diarista.

Lembrando que, se um profissional trabalha mais de três dias por semana, é remunerado mensalmente e tem jornada de trabalho prescrita pelo patrão, a lei interpreta a existência de vínculo empregatício e a situação de autonomia é descaracterizada.

Para ser considerado emprego doméstico, os trabalhadores precisam prestar serviços de forma contínua (e não ocasional), dependente, onerosa e individual.

No caso do trabalho de uma diarista, trata-se de profissionais autônomos, pois podem alternar entre diferentes empregadores conforme necessário. Nesse caso, por não se tratar de vínculo empregatício, o empregador não é obrigado a assinar a carteira de trabalho e previdenciária (CTPS) e garantir os direitos trabalhistas previstos em lei.

Quais são os direitos das empregadas domésticas garantidos por lei?

Com a promulgação da Lei Complementar nº 150, os trabalhadores domésticos adquiriram os seguintes direitos:

  • Salário mínimo;
  • Jornada máxima de trabalho;
  • Descanso semanal remunerado;
  • Hora extra;
  • Banco de horas;
  • Remuneração pelo serviço de viagem;
  • Adicional noturna;
  • Feriado;
  • 13º salário;
  • Feriados civis e religiosos;
  • Vale-transporte;
  • Licença maternidade;
  • Estabilidade pela gravidez;
  • Seguro desemprego;
  • Aviso prévio;
  • Salário familia;
  • FGTS; e
  • Benefícios concedidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Jornada normal de trabalho da doméstica

A legislação estabelece que a jornada de trabalho de uma empregada doméstica deve ser de 8 horas por dia ou 44 horas por semana.

Os trabalhadores podem trabalhar mais de 8 horas por dia durante a semana, se ambas as partes assim o desejarem, portanto, não há trabalho aos sábados.

A lei também permite um turno de 12 horas seguido de um intervalo de 36 horas. Nesses casos, é necessário um acordo por escrito entre o empregado e o empregador. Geralmente, essa jornada é feita por quem cuida de idosos.

Quanto tempo deve ser o horário de almoço da empregada doméstica?

Horário de almoço da empregada doméstica
Horário de almoço da empregada doméstica

Os horários de almoço variam de acordo com a jornada de trabalho do funcionário.

Os trabalhadores têm direito a um mínimo de uma hora e um máximo de duas horas de folga durante a jornada de trabalho se o número de horas por dia for superior a 6 horas. Trata-se do disposto no artigo 13 da Lei Complementar nº 150.

Em jornadas de até 6 horas por dia, o período de descanso deve ser de 15 minutos. Se a jornada diária for inferior a 4 horas, não há necessidade de pausa.

Leia sobre o eSocial Doméstico: entenda como funciona

O horário de almoço da empregada doméstica pode ser reduzido?

Havendo acordo entre o empregado e o empregador, o intervalo pode ser reduzido em 30 minutos.

No entanto, a lei exige que este acordo seja por escrito e assinado por ambas as partes, e que seja registrado no registro diário de horas de trabalho.

Para domésticas que residem no local de trabalho, qual é a hora do almoço?

Se doméstica residir no local de trabalho, a lei prevê que o período de descanso pode ser dividido em dois períodos distintos, desde que cada período seja de, pelo menos, uma hora.

Nesse caso, os trabalhadores têm direito a um descanso de até 4 horas por dia, dependendo do horário de trabalho.

O horário de almoço da empregada doméstica está incluída na jornada de trabalho?

Não. O intervalo de almoço do trabalhador doméstico não está incluído na jornada de trabalho porque o empregado não está à disposição do empregador doméstico.

Então, se um trabalhador tem 8 horas de trabalho e 1 hora de almoço todos os dias, quando começa às 8h, ele tem que sair às 17h.

Uma empregada doméstica pode fazer a pausa para o almoço no local de trabalho?

Não há nada que impeça os trabalhadores domésticos de fazerem pausas no local de trabalho.

No entanto, as pausas não devem ser interrompidas pelo empregador para qualquer tipo de serviço, caso contrário será considerada uma jornada extraordinária.

O empregador doméstico é obrigado a fornecer alimentação aos seus empregados?

A lei não obriga um empregador a fornecer alimentação para um profissional, que pode levar e aquecê-los no local de trabalho.

A lei proíbe quaisquer deduções do salário da empregada se o empregador optar por fornecer alimentos.

Os empregadores devem controlar os intervalos intrajornada da doméstica?

Desde outubro de 2015, o artigo 12 da Lei Complementar nº 150 exige o registro das horas de trabalho dos empregados.

Portanto, o descanso entre jornadas deve ser registrado de forma adequada, seja manual, mecânica ou eletrônica. Atualmente, existem vários sistemas no mercado que permitem aos empregadores controlar os movimentos dos trabalhadores domésticos para cumprir a lei.

E se o horário de almoço da empregada doméstica não for respeitado?

Se o horário de almoço da empregada não for respeitado, o empregador deverá pagar as horas extras.

Nos termos da Lei nº 13.467/2017, “o descanso mínimo da jornada de trabalho, que não é concedido ou concedido parcialmente aos empregados urbanos e rurais para descanso e alimentação, significa que a indenização é paga apenas durante o período vedado. da remuneração do horário normal de trabalho é aumentada em 50 %".

Você tem alguma dúvida sobre o horário de almoço da doméstica? Deixe nos comentários. Ficaremos felizes em responder as suas perguntas! Aproveite também para compartilhar sua opinião sobre o conteúdo conosco e não deixe de nos seguir nas redes sociais: Facebook e instagram!

Entre em contato com a ARKA Online e deixe toda a burocracia da folha de pagamento da sua doméstica conosco.

Clique para avaliar este post!
[Total: 0 Média: 0]